Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The Pawtrait

Like dog, like owner. Telling their stories.

The Pawtrait

Like dog, like owner. Telling their stories.

Seg | 24.12.18

Tareca

Joana Cordeiro

IMG_18555-2.jpg

IMG_1911-2.jpg

IMG-20181223-WA0010.jpg

 

 

 

 

Tareca ∙  4/5 anos (?) ∙ #selfpawtrait

 

Hoje, véspera de natal, dia da família, escrevo um post diferente, mas também muito pessoal... 

 

Sempre me considerei uma pessoa de cães. Tenho cães desde que me lembro. Sim... fazia parte daquele grupo de pessoas que acha que gato é "ser independente, egoísta e que só vai ter com o dono quando quer alguma coisa". Não podia estar mais errada!!!

 

Por ser Médica Veterinária, mal comecei a trabalhar percebi que esse preconceito estava longe de ter fundamento. Apaixonei-me! Dizer que a personalidade de um animal está vinculada à sua espécie e à sua raça é demasiado generalista. Conheci gatos mais melosos do que muitos cães e cães mais desconfiados do que muitos gatos.

 

A Tareca, Zeca, Teca, Miau... Tem muitos nomes, mas não responde a nenhum em particular. Só ela tem direito de escolher quando quer festas dos seus humanos, não o inverso. Contudo, enche a casa com as suas correrias, miadelas e momentos amorosos.

 

Era uma gata meia leca quando a vi pela primeira vez há 3 anos e meio. Tinha começado a trabalhar há pouco tempo no Hospital Veterinário de São Bento e ela vadiava pelos quintais lá perto. Vinha pedir comida através de miadelas e não deixava ninguém aproximar-se dela.

 

Um dia mais tarde, isso mudou, tornou-se mascote do Hospital e aguardou por um lar e uma família. Ao início era "meio brava" quando se tentava o contacto humano, contudo, com muita paciência, um dia consegui dar-lhe festas na barriga. Foi a primeira conquista (e que o digam muitos donos de gatos) e foi quando demonstrou que confiava em mim... Não vos consigo explicar a felicidade que isso me deu.

 

Todos os animais com que contacto no dia a dia, têm algo de especial, cada um com a sua personalidade. Mas esta menina encheu-me o coração... Trazê-la comigo para casa foi algo natural, algo que fazia todo o sentido. Era e é a minha menina. 

 

P.S. Deixo-vos algumas fotos da família. Não estranhem a cara da Tareca no passeio, não achou grande piada. Desde que se tornou gata caseira não quer outra coisa.

 

Desejamos a todos (humanos e patudos) um feliz natal junto de quem vos faz feliz!

 

---

 

Tareca ∙  4/5 years old (?) ∙ #selfpawtrait

 

Today, Christmas Eve, I write a different post, a very personal and special one...

 

I've always considered myself a dog person. I have dogs as long as I can remember. Yes... I was part of that group of people who think that a cat is "independent, selfish and it only contacts with its owner when wants something." I could not be more wrong!!!

 

As a Veterinarian, as soon as I started working, I realized that this preconception was far from having any foundation. I fell in love! Saying that the animal's personality is connected with its species and race is too generalist. I have met cats more affectionate than many dogs and dogs more suspicious than many cats.

 

Tareca, Zeca, Teca, Meow ... She has many names, but she does not respond to any in particular. Only she has the right to choose when she wants cuddles from her humans, not the other way round. She fills the house with her races, meows and moments of love.

 

She was a small cat when I first saw her three and a half years ago. I had started working at the Veterinary Hospital of São Bento while she lurked around the backyards. She came to ask for food through her meows, but she did not let anyone approach her.

 

Later that changed, she became the Hospital's mascot while waiting for a home and a family. At first, she was reluctant to human touch, yet with great patience, one day, I was able to give her cuddles in the belly. It was the first conquest and she showed me that she trusted me... I can not explain the happiness that she gave me that day.

 

All the animals I contact with on a daily basis have something special, each one with its own personality. But this girl filled my heart... Bringing her home with me was something natural, something that made perfect sense. She was and she is my girl.

 

P.S. Do not be surprised about Tareca's face while walking on the street, she didn't like it. Ever since she became a home cat, she does not want anything else.

 

We wish everyone (humans and pawfriends) a Merry Christmas with those who make you happy!

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.